Matérias-primas diferenciadas para oferecer produtos sofisticados e agradar os mais diversos paladares

Padarias investem em matérias-primas diferenciadas para oferecer produtos sofisticados e agradar os mais  diversos paladares.

Padarias investem em matérias-primas diferenciadas para oferecer produtos sofisticados e agradar os mais diversos paladares

HUMBERTO SIQUEIRA Leia a matéria do dia 30/06/2013.

Uma baguete crocante, um croissant com massa fofinhae outras tantas guloseimas. Não é em qualquer padaria que encontramos produtos artesanais coma qualidade reconhecida por todos que os provam. Belo Horizonte tem padarias de diversos estilos e nacionalidades, que, muito além do requinte, buscam oferecer aos clientes produtos de paladares refinados ou com a mesma qualidade de seus países de origem, principalmente Europa e Ásia.

A influência de diferentes culturas foi decisiva na história da Cum Panio. Com o passaporte repleto de carimbos, os amigos Camilo Lima, arquiteto, e a professora Luciana Martins resolveram produzir pães tais como os que puderam experimentar, para vender às terças e sextas-feiras, apenas no intervalo entre as 17h e as 19h. Isso foi há nove anos. A demanda foi crescendo, e hoje a casa funciona diariamente,com uma variedade de 30 pães com massas e processos de produção diferenciados.

Segundo Camilo, a preocupação não é com receitas, mas com processos e histórias. “Temos contato com padeiros de diversas partes do mundo. Trocamos dicas e sugestões.

Nosso croissant é um a receita de uma grande amiga francesa, que ficou em terceiro lugar no concurso de melhor croissant de Paris, por exemplo. Assim, explicamos aos clientes o motivo de determinado pão ter um formato específico e também com quais acompanhamentos ele vai bem,como uma sopa, um azeite, manteiga e queijos”, diz.

Uma dificuldade para esse segmento é a matéria-prima. “Na França,há vários pequenos moinhos,que fazem a farinha conforme a necessidade do cliente. Aqui temos grandes moinhos com produtos padronizados. Muitas vezes, já com aditivos que não queremos.Além disso, como o trigo é uma commodity, os fabricantes compram de quem vende mais barato. Então, a qualidade varia. Não há uma constância e, por conta disso, nem sempre fazemos determinados pães. Só fazemos quando encontramos a matéria-prima com a qualidade que desejamos. E os clientes entendem isso”, comenta Luciana.

Proprietarios da Cum PanioDonos da Cum Panio, Luciana Martins e Camilo Lima têm todo carinho com as histórias e com o processo de fabricação de croissants e baguetes.

De acordo com a analista técnica da Unidade de Atendimento do Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae-MG) Ariane Maira Chaves Vilhena, além da qualidade e do sabor,a padaria deve investir também no visual. “Temos dados que mostram que a visão exerce uma influência de 83% no comportamento de compra dos consumidores. Logo, o apelo visual se apresenta como um importante sentido, a ser valorizado nas estratégias desse tipo de empreendimento”, revela.

PLANEJAMENTO Segundo a analista, quem planeja começar no setor deve tomar alguns cuidados, uma vez que padaria é o tipo de negócio que precisa ser visto. É bom avaliar o fluxo de pedestres e de veículos e verificar se é fácil estacionar próximo a ela. “O ideal é instalar a padaria na entrada dos bairros, do lado direito,para alcançar os clientes que estão voltando para casa. Outro cuidado é evitar locais de difícil acesso e escadas.Lembre-se de que é crescente o número de idosos e deficientes físicos em nossa sociedade. Construir rampas, pisos antiderrapantes e corrimão, além de ser uma obrigação legal, facilita o acesso desse público ao local.”

Uma característica fortíssima no setor é a proximidade. Os clientes são, em boa parte, pessoas que moram ou trabalham próximo à padaria. Dessa forma,é importante verificar qual é o público potencial da região de seu interesse. O poder aquisitivo dos moradores deve ser avaliado em relação ao foco que se dará à padaria.
Na procura pelo ponto ideal, avalie bem o valor do aluguel e não feche o contrato sem antes consultar a prefeitura. Segundo Vilhena, houve casos em que o empreendedor descobriu,depois de assinar o contrato de locação,pagar o aluguel e montar a padaria, que a prefeitura não permitia a instalação daquele tipo de negócio no local.